Plantando Águas da Iniciativa Verde é finalista do Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2016

Plantando Águas da Iniciativa Verde é finalista do Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2016

Categoria(s): Arquivo

Publicado em 27/09/2016

O projeto Plantando Águas, patrocinado pela Petrobras, foi premiado pela Comissão Julgadora do Prêmio von Martius de Sustentabilidade 2016 na Categoria Tecnologia como um dos finalistas. Os vencedores apenas saberão a colocação de seu projeto (1°, 2° ou 3° lugares) na cerimônia, dia 19 de outubro de 2016, durante o Congresso Ecogerma, no auditório da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), em São Paulo.

Cerca de 160 famílias de assentamentos de reforma agrária, bairros rurais e comunidade remanescente do quilombo foram beneficiadas diretamente pelo Plantando Águas realizado em parceria com cerca de 20 instituições (veja a lista abaixo). Realizado durante os anos de 2013 e 2015 em oito municípios de São Paulo, o objetivo do projeto era cuidar da água com uma visão global, mas usando tecnologias sociais que impactam diretamente a qualidade de vida do morador do campo e, claro, de toda a população urbana que depende dessa água. A foto acima foi tirada durante uma oficina para mostrar como deve-se instalar uma fossa séptica biodigestora, em Iperó (SP).

“Este projeto é importante, pois foi uma oportunidade da Iniciava Verde atuar em diversas frentes, todas complementares para a adequação ambiental na paisagem rural, indo além da questão florestal”, Roberto Resende, presidente da Iniciativa Verde.

O Prêmio von Martius de Sustentabilidade foi criado pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha em 2000, com a proposta de premiar projetos que valorizem ações voltadas ao desenvolvimento sustentado de diversas comunidades e que possam ser usadas como exemplo aplicável nas variadas situações geoeconômicas do Brasil. Ele será entregue no maior evento sobre sustentabilidade realizado pelas Câmaras de Comércio Alemãs em toda a América Latina.

Como assim plantar águas?
Para plantar águas, foram necessárias diversas atividades práticas que se complementaram: recuperar a floresta nativa; incentivar condutas mais naturais de cultivo e de criação animal; tratar os resíduos das casas (como o esgoto); realizar planos de uso das propriedades; ter água para usar na propriedade; acompanhar como estão os corpos de água das regiões selecionadas; e, a tarefa mais importante e gratificante, gerar uma mudança de comportamento entre os integrantes (sejam eles pertencentes às organizações ou proprietários participantes e estudantes) para que todo esse zelo tenha continuidade e seja propagados para outros interessados.

Por isso, o projeto Plantando Águas é complexo. Resumidamente, a prática dele incluiu a educação ambiental, a instalação de tecnologias sociais, a realização de oficinas com os proprietários rurais, o plantio de árvores nativas e de Agroflorestas (uma forma de agricultura que polui menos o solo e a água) em áreas degradadas. Com relação à tecnologia social, foram inseridos nas propriedades: cisternas (para armazenar a água da chuva), fossas sépticas (que tratam a água do esgoto com biodigestão a partir do esterco de vaca) e jardim filtrante (um jardim ornamental que trata as águas das pias da casa). Foi feito o monitoramento da qualidade da água em 22 pontos que fornecem o recurso para as casas dos participantes do projeto.

Também foram plantados 75 hectares de árvores nativas em áreas degradadas de mata ciliar e de Sistemas Agroflorestais, incentivando a Agroecologia. Para compartilhar e difundir os conhecimentos, realizadas oficinas e intercâmbios entre técnicos e proprietários rurais. Além disso, o projeto patrocinou a edificação de um Centro de Educação Ambiental, localizado no Sítio São João, em São Carlos (SP), que recebeu apenas pelo projeto 3.690 jovens estudantes para ter aulas sobre o tema. Sem contar os outros visitantes do local.

Obrigada aos parceiros
A equipe da Iniciativa Verde gostaria de agradecer cada parceiro do projeto. Só foi possível realizar este sonho com o patrocínio da Petrobras e com dedicação de cada um: Aline Zaffani; Amigos do Ribeirão Feijão; Associação Amigos Produtores Rurais de Itapetininga; Associação dos Remanescentes de Quilombo Kabundu do Cafundó; Cooperativa de Produção da Agricultura Familiar São Jorge (Coopas), Iperó; Cooperativa de Produção e Prestação de Serviços dos Assentados e Pequenos Agricultores de Porto Feliz (Coopap); Cooperativa Mista de Agricultores, Apicultores, Pecuaristas e Pescadores de Porto Feliz (Comapre); Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) - Centro de Instrumentação São Carlos; ETEC Escola Técnica Estadual de Piedade; Instituto de Terras de São Paulo (Itesp); Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA); Instituto Terra Viva Brasil de Agroecologia; Magno Castelo Branco; Núcleo de Agroecologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar/ Sorocaba); Prefeitura de Piedade.

Para saber mais
Mais informações, inclusive um infográfico explicando tudo o que foi feito em qual localidade, do projeto estão disponíveis na matéria: "Plantando Águas: o início de um novo recomeço".

Vale destacar que as 14 publicações, cartilhas e revistas, relacionadas ao projeto e usadas como apoio na educação ambiental estão disponíveis para download neste link.

  • 699 Hectares Reflorestados
  • 114.267 Toneladas de CO² compensados
  • 916 Empresas