Mundo precisa neutralizar suas emissões de carbono até 2050

Mundo precisa neutralizar suas emissões de carbono até 2050

Categoria(s): Arquivo

Publicado em 09/10/2018

por Marina Vieira

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) publicou, na segunda-feira (9), um relatório especial em que recomenda que o aumento da temperatura global não ultrapasse 1,5°C em relação aos níveis pré-industriais. Com isso, faz uma chamada para ações mais rápidas e amplas dos que as que têm sido prometidas pelos países.

“Um dos pontos centrais que saíram deste relatório é o de que nós já estamos vendo as consequências do aumento de 1°C na temperatura global, através de eventos climáticos mais extremos, aumento do nível do mar e do desaparecimento de gelo no Ártico, entre outras mudanças”, disse Panmao Zhai, co-presidente do grupo 1 de trabalho do IPCC, que avalia a base de dados na ciência física das mudanças climáticas.

O relatório reúne mais de 6 mil referências científicas, e foi redigido por autores de 40 países. Eles avaliaram as consequências de um aumento de 1,5°C em comparação a um aumento de 2°C, que foi a meta estabelecida no Acordo de Paris, mais recente e importante acordo internacional relacionado às mudanças climáticas.

Segundo os cientistas, essa diferença de 0,5°C teria consequências bem diferentes. A chance do Ártico perder todo o seu gelo no verão, por exemplo, cairia de uma vez a cada dez anos, num cenário de 2°C, para uma vez a cada século. A perda de barreiras de corais, que num cenário de 1,5°C seria de 70 a 90%, seria praticamente total com o aumento de 2 graus.

“Limitar o aquecimento em até 1,5ºC é possível dentro das leis da física e da química, mas para isso seriam necessárias mudanças sem precedentes” alerta Jim Skea, copresidente do grupo 3 do Painel, que lida com a mitigação dos impactos – uma espécie de redução de danos.

Para, então, cumprir essa meta e assegurar a sustentabilidade da vida como a conhecemos, as emissões de carbono vindas de atividades humanas teriam que cair quase pela metade até 2030, em relação aos valores de 2010, e “zerarem” até 2050.

Além da redução das emissões, trocando fontes fósseis de energia (como o petróleo) para as renováveis, uma das ações de combate a esse cenário é a compensação, como é feito no programa Carbon Free da Iniciativa Verde. Pessoas e empresas calculam suas emissões e as compensam financiando o plantio de árvores. Faça parte desta mudança! Conheça o programa clicando aqui.

  • 699 Hectares Reflorestados
  • 114.267 Toneladas de CO² compensados
  • 916 Empresas